Culturas populares e Políticas públicas

 

Cultura popular não é o que se chama tecnicamente de folclore, mas uma linguagem em permanente rebelião histórica. O encontro dos revolucionários desligados da razão burguesa com as estruturas mais significativas desta cultura será a primeira configuração de um novo signo verdadeiramente revolucionário
Glauber Rocha

 

Cultura é o patrimônio de bens simbólicos materiais e imateriais de um povo, é o que nos identifica como seres humanos, pertencentes a um determinado grupo, é o que nos define como nação, tradição e invenção, preservação e transformação da realidade.

Compreender as múltiplas dimensões da cultura é essencial ao projeto de transformação social.

Políticas de inclusão das classes populares, historicamente marginalizadas, no processo de desenvolvimento social exigem mudanças estruturais nas formas tradicionais de relações de poder. É preciso ampliar o conceito de democracia, de educação e de cultura para que possamos criar as bases que irão desencadear as mudanças históricas que desejamos.

Hoje, a falta de recursos alternativos e a comodidade tecnológica impõem a televisão e o rádio como os principais meios de acesso a bens culturais imateriais e a informações gerais. Esses veículos de comunicação em sua maioria pertencem a grupos privados com interesses econômicos e políticos, na maioria das vezes contrários aos interesses populares e nacionais e ao invés de suprirem as necessidades de informação e de formação cultural que alimente a fome de educação e política dos cidadãos, mercantilizam todos os conteúdos, empobrecendo e reduzindo a educação e a cultura a meros produtos na prateleira de um mercado cada vez mais belicista e desumano.

Os bens culturais mais expressivos da criação artística brasileira e universal estão acessíveis a pequenas parcelas da população, seja em grupos resistentes produtores de cultura popular (bumbas-meu-boi, congadas, reisados, catiras, guerreiros, folias, fandangos e etc) ou grupos de classe média produtores e consumidores de literatura, cinema, teatro, artes plásticas e etc. Esses grupos que são responsáveis pela construção da identidade cultural brasileira precisam dialogar mais entre si, trocar experiências, buscar alternativas de ampliação da produção e difusão da cultura brasileira.

Em um mundo “coisificado” onde a globalização imposta pelo império capitalista, faz com que o “consumismo” seja parâmetro para medir a condição social dos indivíduos, necessitamos com urgência e precisão valorizar e dar visibilidade à cultura portadora de valores éticos humanistas necessários à construção da sociedade socialista e democrática que sonhamos.

Uma das características do capitalismo moderno é a necessidade de destruição das culturas locais para que em seu lugar sejam vendidas as novidades descartáveis do mercado.

Dado às características peculiares de produção e organização da cultura popular brasileira se faz necessário à criação de programas e projetos específicos para esta área que não sobrevive dentro das relações tradicionais do mercado capitalista nem consegue se ajustar às exigências burocráticas legais que o estado faz aos proponentes de projetos culturais.

Nossa luta é contínua, e nossa política cultural não deve perder de vista este combate. Então, Para que sejamos eficientes em nossas ações a atividade artística popular precisa ser também considerada sob o prisma da transversalidade, permeando várias áreas do conhecimento humano, articulando-se no âmbito das políticas públicas ás áreas de educação, saúde, meio ambiente, desenvolvimento sustentável, geração de trabalho e renda e toda a pauta da inclusão social no Brasil.

Chico Simões

 

One comment on “Culturas populares e Políticas públicas”

  • O Chico nos choca

    Acho que as duas coisas mais importantes para alimentar as lutas do povo são o conhecimento e a revolta, esse sentimento que nos move para o enfrentamento das injustiças.
    O conhecimento é produzido pelo trabalho intelectual e o sentimento é produzido pelo trabalho artístico. Intelectuais e artistas produzem conhecimento e emoções que sustentam nossa luta, mas produzem também para manter as posições de nossos opressores. No mercado sul, se produz conhecimento e arte para as lutas do Povo. Não de forma pura, pois nossos lutadores são também contaminados pela ideologia opressora. Mas, mesmo com nossas falhas e contradições internas, sabemos que o capitalismo destrói não só a cultura do povo, mas todos os traços que nos caracterizam como seres humanos. Por isso, esse Mercado é gerador de sonhos e formulacoes para chocar os ovos de um mundo alegre, apaixonado pela liberdade e pelo respeito mútuo

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>